domingo, 9 de outubro de 2016

MÁQUINA MUNDI, A MÁQUINA DE GUERRA POÉTICA


                                                     MARCELO MOURÃO



FLOR AMARELA   (Ivan Junqueira)

Atrás daquela montanha
tem uma flor amarela;
dentro da flor amarela,
o menino que você era.

Porém, se atrás daquela
montanha não houver
a tal flor amarela,
o importante é acreditar

que atrás de outra montanha
tenha uma flor amarela
com o menino que você era
guardado dentro dela.


FIO DE ARIADNE   (Marcelo Mourão)
Para Ivan Junqueira

Mesmo que a chuva destrua
a rua, o muro, a rede elétrica,
olhe a casa que água não levou
e veja que você está dentro dela.


Mesmo que o sol não volte a
abrir o sorriso da primavera,
olhe no interior daquela flor
e veja que você está dentro dela.

Mesmo que a luz se dilua
e os cegos se espalhem pela Terra,
olhe a voz que ninguém apagou
e veja que você está dentro dela.

Mesmo que os dias não mudem
- mesmo filme na mesma tela –
olhe a criança que ficou na plateia
e veja que você está dentro dela.

Mesmo que o mundo todo desabe
e não sobre pedra sobre pedra,
olhe suas mãos, o chão que ficou
e a vida ainda viva além da janela.



Em Máquina Mundi, livro lançado agora com sucesso por Marcelo Mourão, vemos esta homenagem ao poeta Ivan Junqueira, um texto feito a partir de Flor amarela. Aliás, muitos são os diálogos literários que encontramos no instigante livro de Marcelo, sendo, portanto, a intertextualidade uma das marcas de seus últimos poemas.

Faça um poema em que haja também uma referência imagística a um texto de outro autor, como no exemplo.

segunda-feira, 18 de julho de 2016

AGORA FALANDO SÉRIO





AGORA FALANDO SÉRIO  Chico Buarque
 

Agora falando sério
Eu queria não cantar
A cantiga bonita
Que se acredita
Que o mal espanta
Dou um chute no lirismo
Um pega no cachorro
E um tiro no sabiá
Dou um fora no violino
Faço a mala e corro
Pra não ver a banda passar

Agora falando sério
Eu queria não mentir
Não queria enganar
Driblar, iludir
Tanto desencanto
E você que está me ouvindo
Quer saber o que está havendo
Com as flores do meu quintal?
O amor-perfeito, traindo
A sempre-viva, morrendo
E a rosa, cheirando mal

Agora falando sério
Preferia não falar
Nada que distraísse
O sono difícil
Como acalanto
Eu quero fazer silêncio
Um silêncio tão doente
Do vizinho reclamar
E chamar polícia e médico
E o síndico do meu tédio
Pedindo pra eu cantar

Agora falando sério
Eu queria não cantar
Falando sério

Agora falando sério
Eu queria não falar
Falando sério

     Nesta letra, Chico Buarque faz várias referências intratextuais e inverte inúmeras vezes um senso comum, uma expectativa óbvia, como nos seguintes versos: ”O amor-perfeito, traindo/ A sempre-viva, morrendo / E a rosa, cheirando mal”.
     Faça um poema em que haja inversões como estas que, na verdade, traduzem um momento e que não podem ser vistas como falta de sentido.


Marcus Vinicius Quiroga
  


sexta-feira, 30 de outubro de 2015

O TEXTO E AS ÉPOCAS

Pesadelo
(Maurício Tapajós / Paulo César Pinheiro)


Quando o muro separa uma ponte une
Se a vingança encara o remorso pune
Você vem me agarra, alguém vem me solta
Você vai na marra, ela um dia volta
E se a força é tua ela um dia é nossa
Olha o muro, olha a ponte, olhe o dia de ontem chegando
Que medo você tem de nós, olha aí

Você corta um verso, eu escrevo outro
Você me prende vivo, eu escapo morto
De repente olha eu de novo
Perturbando a paz, exigindo troco
Vamos por aí eu e meu cachorro
Olha um verso, olha o outro
Olha o velho, olha o moço chegando
Que medo você tem de nós, olha aí

O muro caiu, olha a ponte
Da liberdade guardiã
O braço do Cristo, horizonte
Abraça o dia de amanhã, olha aí


Embora esta letra tenha sido escrita em um momento de circunstâncias
extremamente repressoras,  os versos ultrapassam a época e adquirem
novos significados . Por exemplo, “você me prende vivo, eu escapo morto”
hoje já não é tão literal e, simbolicamente, pode ter diversos usos e interpretações.
Faça um poema em que haja um aparente absurdo  como “escapo morto”,

ou ainda, que tenha uma solução inesperada para algum problema.

segunda-feira, 12 de outubro de 2015

JÁ NÃO HÁ MAIS HOJE COMO ANTIGAMENTE


O CAVALEIRO E OS MOINHOS

Acreditar
Há existência dourada do sol
mesmo que em plena boca
nos bata o açoite contínuo da noite.
Arrebentar
a corrente que envolve o amanhã,
despertar as espadas,
varrer as esfinges das encruzilhadas.
Todo esse tempo
foi igual a dormir num navio:
sem fazer movimento,
mas tecendo o fio da água e do vento.
Eu, baderneiro,
me tornei cavaleiro,
malandramente,
pelos caminhos.
Meu companheiro
tá armado até os dentes:
já não há mais moinhos
como os de antigamente.
Faça seu poema com base nos dois versos finais, usando a expressão "como antigamente"
com a ironia cabível.

sábado, 3 de outubro de 2015

INTERTEXTO







                                   O POETA DORME EXAUSTO              
                                   SOBRE OS VERSOS QUE NÃO FEZ

quinta-feira, 27 de agosto de 2015

LEMBRANÇAS SEM PASSADO







                                                      Renato Alvarenga



O BOI

Os quartos de boi
pendurados nesta câmara refrigerada
já foram músculos vivos...

A matéria dos homens
já foi carne para as feras.
Éramos os bois das bestas,
que não distinguem o bicho do alimento
e nos consumiam in natura.
Éramos os bois de boiadeiros
de corpos e almas.

Não nos lembramos
amiúde
de que o bife no prato já sentiu:
apesar de processado antes,
o boi do homem continua boi.

Se nem isso percebemos,
menos entenderemos
que o homem ainda é o boi do homem.


Este texto de Renato Alvarenga, poeta que cresce a cada livro, 
apresenta um desdobramento da imagem do boi que prepara a
leitura para a metáfora final. Faça um poema em que uma
imagem-matriz também seja reutilizada e acrescida de novos sentidos.


Marcus Vinicius Quiroga 

segunda-feira, 17 de agosto de 2015

O TEMPO E AS CORES






Aldir Blanc


Nada Sei de Eterno

Hoje eu sei
Que esse minuto é tudo

Mas que passa...
Eu sei...
Por isso pede a noite
Que eu pernoite em teus receios
Durma nos teus seios
E se o sol
O mesmo antigo sol da infância
Vindo da distância
Se firmar no horizonte
É pra não durar
Não vou sonhar

Eu vim do inverno
Nada sei de eterno
Vi o amor chorar
Pra depois mudar
Igual a chuva
Que se curva em arco-íris
Abraçando o espaço
Incompleto abraço
Que não deixa queixa

Braço à luz
Não me seduz
Nascer em ti
Depois morrer de ti
Como essa luz morreu
Eu quero um filho teu
Que me estenda
Que me estenda a mão
Ao teu cabelo louro quando embranquecer
Que seja o céu e o sol
Em tua estrada ensombrecida
Tudo em tua vida



Entre outras coisas, esta letra se realiza pela relação cromática e sua simbologia:
arco-íris, luz, sol, louro, embranquecerE ensombrecida: Faça um poema, usando
também imagens visuais, para marcar a mudança dos acontecimentos.    

segunda-feira, 3 de agosto de 2015

O EFEITO IRÔNICO





                                      Chico Buarque



Deus Lhe Pague

Por esse pão pra comer, por esse chão pra dormir 
A certidão pra nascer e a concessão pra sorrir
 
Por me deixar respirar, por me deixar existir 

Deus lhe pague 

Pelo prazer de chorar e pelo "estamos aí" 
Pela piada no bar e o futebol pra aplaudir 
Um crime pra comentar e um samba pra distrair 

Deus lhe pague 

Por essa praia, essa saia, pelas mulheres daqui 
O amor malfeito depressa, fazer a barba e partir 
Pelo domingo que é lindo, novela, missa e gibi 

Deus lhe pague 

Pela cachaça de graça que a gente tem que engolir 
Pela fumaça, desgraça, que a gente tem que tossir 
Pelos andaimes, pingentes, que a gente tem que cair

Deus lhe pague

Por mais um dia, agonia, pra suportar e assistir 
Pelo rangido dos dentes, pela cidade a zunir 
E pelo grito demente que nos ajuda a fugir

Deus lhe pague

Pela mulher carpideira pra nos louvar e cuspir 
E pelas moscas-bicheiras a nos beijar e cobrir 
E pela paz derradeira que enfim vai nos redimir 

Deus lhe pague 


Faça uma paródia desta letra, mudando a classe social
do sujeito do discurso. Imagine alguém da classe alta
dando graças a Deus.

quinta-feira, 23 de julho de 2015

DIÁLOGO DE TEXTOS







                                                      Adélia Prado

AGORA, Ó JOSÉ

É teu destino, ó José,
a esta hora da tarde,
se encostar na parede,
as mãos para trás.
Teu paletó abotoado
de outro frio te guarda,
enfeita com três botões
tua paciência dura.
A mulher que tens, tão histérica,
tão histórica, desanima.
Mas, ó José, o que fazes?
Passeias no quarteirão
o teu passeio maneiro
e olhas assim e pensas,
o modo de olhar tão pálido.
Por improvável não conta
O que tu sentes, José?
O que te salva da vida
é a vida mesma, ó José,
e o que sobre ela está escrito
a rogo de tua fé:
“No meio do caminho tinha uma pedra”
“Tu és pedra e sobre esta pedra”.
A pedra, ó José, a pedra.
Resiste, ó José. Deita, José,
Dorme com tua mulher,
gira a aldraba de ferro pesadíssima.
O reino do céu é semelhante a um homem
como você, José.



ESCOLHA UM POEMA DE DRUMMOND E FAÇA OUTRO,
ESTABELECENDO UM DIÁLOGO ENTRE OS DOIS, TENDO
COMO EXEMPLO O TEXTO DE ADÉLIA.















quarta-feira, 15 de julho de 2015

O OBJETO OBSCURO DA POESIA






                                     Sérgio Alcides 



FALTA


Maré baixa. O píer não se precipita
senão sobre o resíduo que vem dar na praia,
memória do mar, areia raiada ainda
pelas pegadas das águas em fuga, flauta
soprando invertida, para dentro de seus
pulmões: distância como concerto de sons
ausentes, renúncia da ventania, sujas
espumas abandonadas como se fossem bens,
algas e conchas entre ruínas de garrafas,
desperdício de mensagens, paus perdidos
de suas embarcações, com desespero de pregos
em sal e ferrugem, peixe afogado no ar   
descartável como os copos esvaziados, e,
lateralmente, o caranguejo flana entre
fragmentos de propaganda e etiquetas loucas.
O píer acusa o horizonte. Pendurada no canto,
a lua transparece no azul da manhã-marinha.


Repare a sequência de imagens que vão se desdobrando
como em um espiral. Faça um poema em que haja uma 
continuidade imagística, “definindo” poeticamente algum objeto.

segunda-feira, 6 de julho de 2015

SINGULARÍSSIMA PESSOA


                                                  AUGUSTO DOS ANJOS


Budismo Moderno
  
Tome, Dr., essa tesoura, e... corte
Minha singularíssima pessoa.
Que importa a mim que a bicharia roa
Todo meu coração, depois da morte?

Ah! Um urubu pousou na minha sorte!
Também, das diatomáceas da lagoa
A criptógama cápsula se esbroa
Ao contacto de bronca dextra forte!

Dissolva-se, portanto, minha vida
Igualmente a uma célula caída
Na aberração de um óvulo infecundo;

Mas o agregado abstrato das saudades
Fique batendo nas perpétuas grades
Do último verso que eu fizer no mundo!

Neste poema, como em outros, Augusto dos Anjos mescla dicções,
dando um ar novo ao soneto e à literatura do fim do século XIX, com
a qual também mantém afinidades . Faça um poema em que haja algum
tipo de mistura.











quinta-feira, 25 de junho de 2015

NARRAÇÃO E REFLEXÃO




MOMENTO NUM CAFÉ
Manuel Bandeira

Quando o enterro passou
Os homens que se achavam no café
Tiraram o chapéu maquinalmente
Saudavam o morto distraídos
Estavam todos voltados para a vida
Absortos na vida
Confiantes na vida.
Um no entanto se descobriu num gesto largo e demorado
Olhando o esquife longamente
Este sabia que a vida é uma agitação feroz e sem finalidade
Que a vida é traição
E saudava a matéria que passava
Liberta para sempre da alma extinta.

Repare que o poema é narrativo, mas não quer contar
uma história. E, sim, propor uma reflexão, que termina com
uma “inversão”. O poeta pôs a palavra alma no lugar da esperada
corpo. Faça, agora,  também um aparente poema narrativo.

domingo, 21 de junho de 2015

O SOM ATRAVÉS DO TEMPO














                                      GARFUNKEL E SIMON






THE SOUNDS OF SILENCE

Hello darkness, my old friend
I've come to talk with you again
Because a vision softly creeping
Left its seeds while I was sleeping
And the vision that was planted
In my brain still remains
Within the sound of silence
In restless dreams I walked alone
Narrow streets of cobblestone
'Neath the halo of a street lamp
I turned my collar to the cold and damp
When my eyes were stabbed by the flash of
A neon light that split the night
And touched the sound of silence
And in the naked light I saw
Ten thousand people, maybe more
People talking without speaking
People hearing without listening
People writing songs that voices never share and no one dared
Disturb the sound of silence
Fools said I, you do not know
Silence like a cancer grows
Hear my words that I might teach you
Take my arms that I might reach you
But my words like silent raindrops fell
And echoed in the wells of silence
And the people bowed and prayed
To the neon God they made
And the sign flashed out its warning
In the words that it was forming
And the signs said, 'The words of the prophets
Are written on the subway walls and tenement halls'
And whispered in the sounds of silence



THE BOXER


I am just a poor boy
Though my story's seldom told
I have squandered my resistance
For a pocket full of mumbles
such are promises
All lies and jests
Still a man hears what he wants to hear
And disregards the rest
When I left my home and my family
I was no more than a boy
In the company of strangers
In the quiet of the railway station running scared
Laying low,
Seeking out the poorer quarters
Where the ragged people go
Looking for the places only they would know
Lie la lie...
Asking only workman's wages
I come looking for a job
But I get no offers,
Just a come-on from the whores on Seventh Avenue
I do declare,
There were times when I was so lonesome
I took some comfort there
La, la, la,
Now the years are rolling by me, they are -[rockin evenly]-
I am older than I once was
And younger than I'll be that's not unusual.
No it isnt strange after changes upon changes
We are more or less the same
After changes we are more or less the same
Lie la lie...
Then I'm laying out my winter clothes
And wishing I was gone
Going home
Where the New York City winters
Aren't bleeding me
leading me, going home
In the clearing stands a boxer
And a fighter by his trade
And he carries the reminders
Of ev'ry glove that layed him down
Or cut him till he cried out
In his anger and his shame
"I am leaving, I am leaving"
But the fighter still remains
Lie la lie...


Talvez se houvesse um aparelho para medir o número de vezes 
que escutamos uma música, ele diria que estas foram as duas 
músicas mais ouvidas por mim. Não sei o que isto significa,
mas apenas que a música pode ser a metonímia de um tempo
que, de uma forma ou de outra, permaneceu.  
Procure identificar que música você mais ouviu até hoje e escreva
um texto a respeito.